Centro de Referência em Ceratocone

O Centro de Referência em Ceratocone Ramos & Associados foi criado devido à alta demanda de pacientes portadores de ceratocone em nossa Clínica.  Cada estágio evolutivo do ceratocone pode ser diagnosticado precisamente através da TOPOGRAFIA DE CÓRNEA OU PENTACAM (tomografia de córnea), que seleciona a opção terapêutica mais indicada caso a caso. O diagnóstico precoce é importante para evitar sua progressão.

Ceratocone  -  O que é?
É uma doença não-inflamatória que provoca protrusão e afinamento progressivo da córnea, levando ao aparecimento de miopia e astigmatismo irregular. O ceratocone foi descrito pela primeira vez no século 19 e ainda hoje tem causa desconhecida. Sabe-se que cerca de 10% dos casos são hereditários. Ele acomete ambos os sexos, iniciando na puberdade e evoluindo até a terceira e quarta décadas de vida. Sua incidência é de um caso a cada 2000 pessoas, no entanto, esses números estão subestimados, pois existem muitos casos sem diagnóstico.

Ceratocone - Diagnóstico e acompanhamento
A forma mais precisa de se realizar o diagnóstico de ceratocone, atualmente, é através da topografia ou da tomografia de córnea, pois ambos os exames mapeiam a perifieria da córnea, onde ele surge inicialmente. Há sinais clínicos nos casos mais avançados, sendo o principal deles a diminuição da visão mesmo com o uso de óculos ou lentes de contato. O acompanhamento preciso se faz através da topografia ou da tomografia de córnea de 4/4 meses ou 6/6 meses, quando é possível vericar a estabilidade do quadro ou sua evolução.  

Ceratocone - Doenças associadas

1. Pacientes que coçam os olhos têm mais frequentemente ceratocone. Já foi provado que coçar os olhos aumenta o ceratocone. Medidas para mudança desse hábito devem ser tomadas precocemente, inclusive com o uso de medicação.

2. Pacientes portadores de alergias têm mais frequentemente ceratocone do que a população em geral. Pacientes com ceratocone tem mais frequentemente asma e eczema.  

Ceratocone - Opções de tratamento
A escolha da terapia a ser utilizada depende do grau de evolução de cada caso.

1. Óculos - Inicialmente, em ceratocones pequenos, apenas o uso de óculos e o acompanhamento rigoroso através da topografia ou da tomografia corneanas se fazem necessários.
 
2. Lentes de contato - Quando o óculos já nao corrige satisfatoriamente a visão, é necessário o uso de lentes de contato endurecidas, devido ao astigmatismo irregular. Na Clínica, adaptamos diversas marcas e modelos de lentes de contato, incluindo as monocurvas, Sopper, multicurvas e lentes esclerais. É possível ainda, em casos mais brandos, a adaptação de um tipo especial de lente gelatinosa com bons resultados. Nesse estágio, também se faz necessário o acompanhamento regular com topografia ou tomografia corneanas.
 
3. O Cross Linking de Colágeno (CXL) Corneano está indicado quando há evolução do ceratocone. O CXL torna a córnea mais rígida, impedindo a evolução do ceratocone em 95% dos casos. Ele atua aumentando as ligações entre as fibrilas de colágeno da córnea. A técnica é realizada em ambiente cirúrgico somente com o uso de colírio anestésico. Realiza-se dessepitelização da córnea (remoção da camada mais externa), aplicação do corante riboflavina em gotas de 5/5 minutos e, a seguir, aplicação de raios ultravioleta A (UVA) durante trinta minutos. Realizamos ainda a técnica transepitelial, em que não há remoção do epitélio corneano. Após a relização do cross linking de colágeno corneano, é necessário o uso de óculos ou lente de contato para corrigir a visão.

4. O Anel Intra-Corneano (ou de Ferrara) é outra alternativa para o tratamento de pacientes com ceratocone e degeneração marginal pelúcida. Ele está indicado principalmente para pacientes intolerantes a lentes de contato ou que desejam melhorar a visão corrigida com óculos. Ele diminui a curvatura da córnea, aplanando toda ela. Utilizamos para implante a técnica a laser (utiliza-se o laser de femtosegundo para criar os túneis onde serão implantados os segmentos do anel ). A técnica a laser é mais rápida, precisa e segura do que a técnica mecânica. A cirurgia é indolor, realizada sob anestesia local (colírio), e não dura mais de vinte minutos.

5. O Transplante de Córnea é necessário para casos avançados de ceratocone. Ele pode ser penetrante (quando se utiliza a totalidade da córnea doadora) ou lamelar (quando se utiliza apenas a parte anteior da córnea doadora). Em nosso meio, o tempo de espera pela córnea varia de quatro a seis meses. A recuperação visual ocorre ao longo de alguns meses, com a retirada dos pontos. É comum, após o transplante, aparecer astigmatismo, que pode ser corrigido pela cirurgia a laser (excimer laser), técnica que utilizamos na Clínica com excelente resultado.